Porque sabes que eu estou aqui. Porque eu sei que me sabes ler no silêncio.
Sábado, 14 de Maio de 2005
Lua Nova in Lunário
Nému dormia, uma mão metida entre a cara e a almofada, nu, viajando pelo desmesurado espaço dalgum sonho de onde, certamente, Beno fora excluído. E, por instantes, este sentiu ciúmes por não poder estar dentro do sonho de Nému.
Mas com o decorrer dos meses, Beno viria a aprender que é muito difícil dormir com alguém, ser cúmplice desse abandono, dessa ausência a dois, do que fornicar.
E ambos foram aprendendo a dormir um com o outro, e Beno deixara de ter ciúmes dos sonhos de Nému.
«Fornicar - pensava Beno -, fornica-se com quem quer que seja» ou quem seduzimos e desejamos. Mas dormir, dormir é muito mais complicado, leva tempo até se perder o medo de se entregar o corpo, assim...ao outro. E a lassidão dos corpos abandonados aos segredos do sono um do outro...é bela!»
Frequentemente, contudo, a insónia dominava Beno com violência. Permanecia acordado, fumando na semi-obscuridade do quarto, vendo Nému dormir, acariciando-lhe o cabelo. Perguntava-se como é que tudo terminaria, e que razão profunda, enigmática, trouxera Nému à sua vida. E perdia-se em cogitações, até que o cansaço o atordoava e também ele adormecia. Outras vezes, era Nému que não conseguia dormir. Abraçavam-se, as pernas enlaçadas, os sexos juntos, e enquanto um dormitava, o outro mantinha-se vigilante, esperando sabe-se lá que desastres...

al berto


publicado por SigurHead às 11:05
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Anónimo a 18 de Maio de 2005 às 01:37
Percebo-te perfeitamente...é isso mesmo, e é disso mesmo que sinto falta, não do sexo, mas dessa entrega mutua que é simplesmente o dormir junto! Que é lindo! Só isso...LINDO!Kissifur
</a>
(mailto:rqm_e_dbauhaus@hotmail.com)


De Anónimo a 14 de Maio de 2005 às 18:54
"Contemplo o lago mudo
Que uma brisa estremece
Não sei se penso em tudo
Ou se tudo me esquece
O lago nada me diz
Não sinto a brisa mexê-lo
Não sei se sou feliz
Nem se desejo sê-lo
Trêmulos vincos risonhos
Na água adormecida
Porque fiz eu dos sonhos
A minha única vida"
(Fernando Pessoa)Noni
</a>
(mailto:serra-silva@uol.com.br)


Comentar post