Porque sabes que eu estou aqui. Porque eu sei que me sabes ler no silêncio.
Domingo, 25 de Setembro de 2005
Sempre...
Sempre que pareço talhado para uma nova paixão, apareces tu, como uma folha de papel reciclado, de novo em mim, num cruzar de olhos que tento abandonar, mas que sinto ser difícil. Sinto que me passeias no olhar, porque na epiderme da noite os sentidos são mais voláteis.
Consulto os ponteiros do meu tempo e encurto o passo para que não esperem por mim. Olho sobre o ombro na esperança de que ainda aí estejas, transeunte apaixonado, ou talvez não.
Mas tu já te perdeste uns passos atrás, não me acompanhaste, talvez porque ninguém te espera.
Agarro-me ao silêncio de um quarto de hotel onde cai a noite.
No silêncio abrigo-me das palavras rasgadas nas paredes de outros quartos, ergo-me numa sombra sinuosa que te desenha em cada suspiro que sou.


publicado por SigurHead às 10:48
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 17 de Setembro de 2005
Vou levar-te...
 
Vou Levar-te a ver o mundo nos meus olhos.


publicado por SigurHead às 18:59
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 9 de Setembro de 2005
Momentos

Falo comigo, desabafo-me em pensamentos incertos. Saboreio uma contradança de sentidos digo presente ao futuro. Perco-me em fragmentos televisivos vazios de tudo e cheios de nada deixando-me levar pela força aparente das imagens e do zapping gratuito. Procuro num jornal de ontem e baralho-me. Penso em cartas que não te enviei e que ficaram apenas escritas na minha memória. Faço-me ausente para te sentir mais longe. brisa na palma da tua mão sem pretender ser algo definitivo, sem querer que a cerres e me eternizes no seu interior. São estes momentos assim em que me apetece atirar ao ar todas as letras que me ensinaste um dia a amar.



publicado por SigurHead às 09:22
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 5 de Setembro de 2005
David Mourão-Ferreira

E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos
E por vezes encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes
ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos
E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se envolam tantos anos.



publicado por SigurHead às 22:16
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 2 de Setembro de 2005
Nunca

Nunca pedi nada e de quase nada preciso.
Às vezes, as coisas aleijam... mais ou menos como as noites tristes deste lugar (há uma gaivota, de certeza só uma, que rasa os neons que inundam esta varanda). Não sei bem mas acho que tenho saudades do silêncio que ainda não me apareceu.


publicado por SigurHead às 00:15
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Junho 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Apenas quando o mundo nos...

Anoitece devagar

Mas comigo era diferente....

Tanto para te dizer

...

Não digas a ninguém

Dei-me sempre mais do que...

Luminoso afogado

Roída a dor muda

Antídoto

arquivos

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

links

Free Website Counter
Indicador de Status