Porque sabes que eu estou aqui. Porque eu sei que me sabes ler no silêncio.
Quarta-feira, 14 de Julho de 2004
Al Berto - Incêndio
 
Primeiro alinhas as canetas de tinta permanente. Uma com tinta negra, outra com tinta azul. A terceira está vazia.
Sentas-te e debruças-te para o caderno de capa preta. O silencio arde por toda a casa. Abres o caderno onde sepultaste, há dias, umas quantas palavras. E ao abri-lo caem as imagens sobre a mesa. O caderno volta a ficar branco. O caderno, a nocturna memória do mundo, a vida. Tudo branco como a morte.
Nenhum corpo cresce, nenhuma sílaba ficou esquecida no papel, nenhum eco do coração.
Sentado como se estivesses sentado sobre o mar, escutas o lento bater nos confins dos ossos. Mas já nada tremula na luminosidade plúmbea do dia. Nada se acende, ou apaga nos céus.
O dia afoga-se lentamente, na treva do mar.
Deitas-te, então, ao lado do morto que ainda não és. E dele se liberta um anjo mudo que vem habitar teu corpo.
A vida como sabes tem o tempo da areia que se escapa por entre os dedos. Areia rápida e branca. Esvoaçante.
Agora, a ausência, a tua é um rosto silencioso. E a tua mão está enterrada no tesouro das horas.
Finges dormir para que a dor não deixe rastro no sangue. Nada se move dentro ou fora de ti, excepto o vento no interior dos ossos.
Corpo aéreo, azulínea música rente à claridade da pele.
Páras de escrever. Recostas-te na cadeira e murmuras: da paixão ficou o estremecimento de terra nos teus dentes, e a sombra de um nome rasgando o crepúsculo.
Fechas as pálpebras. O canto ergue-se nítido, sobe ao encontro da boca.
A teu lado está morto. Inerte e desprotegido  dentro do poema que há-de vir.
Tocas-lhe, como se ainda se escoasse vida no seu sangue. Mas no cimo da penumbrosa montanha inicia-se o degelo. Abres os olhos, pousas a mão no papel, escreves.
Tocar a luz, qualquer luz, não consegue ressuscitar nada. Sílaba a sílaba tudo continua imóvel. Mesmo quando as palavras se agitam e são voláteis, cortam a respiração  ou quando são vegetais e largam um fio de seiva quente na língua.
Porque é do silencio poroso do anjo mudo, da fala incandescente do seu olhar que, de quando em quando, surge o poema.
A febre desperta o desejo. Uma asa do anjo incendeia-se, desprende-se do corpo  estilhaça-se no éter da paisagem.
A pouco e pouco, acordas. Ouves o assustador rumor das águas e dos astros. O calor sufoca-te.
Continuas a não pressentir o fim do corpo. Anotas: falo da ultima morte para melhor celebrar a vida.
O dia esvai-se quando, nos céus, se enchem de fogo os olhos vazios da noite.


publicado por SigurHead às 11:52
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Anónimo a 26 de Julho de 2004 às 00:56
Absolutamente lindo...mas estava um pouco confusa a pessoa que o escrevou ...lendo o texto n faz muito sentido no inicio ao fim a n ser que eu n tenha percebido ;) mas gostei de algumas partes do textoRodrigo
</a>
(mailto:r.livreiro@netcabo.pt)


Comentar post