Porque sabes que eu estou aqui. Porque eu sei que me sabes ler no silêncio.
Quarta-feira, 30 de Junho de 2004
ESTE É O DOURO QUE EU AMO
2.jpg2arma.jpg2moimen.jpg 5santanarta.jpg6.jpg9.jpg
"Doiro, poema geológico", foi como o poeta Miguel Torga definiu esta região, situada no norte de Portugal, onde é fácil estabelecer laços com a História e com as suas gentes. Depois do trabalho do rio, que cavou fundo o seu leito, o homem adaptou as encostas íngremes à cultura da vinha, construindo assim uma das mais antigas regiões vitivinícolas do mundo, demarcada e regulamentada em 1765 pelo Marquês de Pombal. Região classificada Património da Humanidade pela UNESCO, onde se produz um vinho universalmente conhecido sob a designação Porto. O Alto Douro é um exemplo de paisagem que ilustra diferentes etapas da história humana e representa uma paisagem cultural evolutiva viva. O que justifica o facto desta região integrar um grupo restrito de locais que detêm o epíteto de Paisagem Cultural, uma designação criada em 1992 pela UNESCO para as paisagens que combinam o trabalho humano com os valores culturais. Ali, o paraíso aparece na forma de socalcos com vinhedos, formados ao longo de séculos de suor. Tem como símbolo o vinho do Porto, uma paisagem fantástica, um património rico e inigualável. Para além da rota do vinho, a região tem ainda muitos outros factores de atracção turística. As festas populares que em Agosto atraem à Régua cerca de 40 mil pessoas para o lançamento do fogo-de-artifício do meio do rio Douro continuam a encantar os visitantes. Mas os turistas podem ainda optar por formas mais modernas de divertimento, como os desportos náuticos, turismo rural em diversos solares ou o festival de música electrónica Dance In Douro, que há quatro anos se realiza na cidade, nas margens do rio.
noiteagosto.jpgdouro-cachao.jpgdouro_cruise_3.jpg douro-22.jpgdouro.jpgInvicta2.jpg


publicado por SigurHead às 00:05
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Anónimo a 3 de Julho de 2004 às 15:35
Douro tem montes que não deixam de crescer, videiras que ninguém pode contar, oliveiras que vivem a rezar, e um rio que não pára de correr, pedaço de viril beleza. Visitei a Régua pela 1ª vez em Agosto de 2003, quem me dera que todas as cidades fossem como Ela.

Filipe Gonçalves
</a>
(mailto:)


De Anónimo a 2 de Julho de 2004 às 23:36
Que fotos tão bonitas
;)
*BjInHoS*selebiana
(http://nadademais.blogs.sapo.pt)
(mailto:selebiana@sapo.pt)


Comentar post