Porque sabes que eu estou aqui. Porque eu sei que me sabes ler no silêncio.
Quinta-feira, 8 de Abril de 2004
Daniel Sampaio- Lições do abismo.
Não tenho ninguém a quem anunciar que não durmo. Aqueles que dantes se aproximavam para me dedicar um sorriso de compaixão, parecem agora definitivamente marcados pela minha tristeza e ficam à porta das luzes, enquanto permaneço na escuridão do corpo esquecido e dos meus gestos sombrios.
X-ato, meu amigo, corta-me uma vez mais, faz com que a minha destruição superficial faça esquecer o nada que sou por dentro. Sinto-me estranho, já não reconheço a própria voz, ouço-a mas não a alcanço, é o eco da minha fala de outros tempos. O espaço em que vivo é afinal o terreno em que o meu corpo, sem imagem, deixa de se ver.
Vivo à sombra das sombras, qual a imagem de mim próprio? Espreito-me de novo ao espelho e não me reconheço. Em volta dos muros da minha memória busco referências ao passado, encontro tecidos de desespero, animais feridos, águas escuras. Quero percorrer sem cessar o risco do absurdo e da morte, ficar de pé horas seguidas a olhar o vazio dentro e fora de mim, ouvir os meus passos na madrugada, esperar por ti. À boca de cada rua pressinto o teu olhar, sei que estás longe e tenho medo.
Leugim Aierroc, Miguel Correia, brinco com o meu nome, salivo as sílabas para que ele ganhe sentido, fico de novo perdido entre o silêncio e a voz. O sangue dos meus cortes arrefece agora, tudo permanece suspenso e sem destino.
Atravesso a cidade cheio de sede, procuro vestígios de mim nos sem-abrigo dos Anjos, oiço ao longe uma voz, uma língua estranha de alguém perdido como eu.
...
Leugim-Miguel, como entender que deixei de existir no exacto momento em que a Joana me deixou?, ando agora à procura de um sol que nunca nascerá, nomes vazios preenchem as minhas memórias, nu diante de mim próprio procuro um impulso para atingir alguma claridade.
E apesar da inquietação e do ciúme, fui feliz contigo. Conseguia arranjar tempo para te ver durante a semana, nas noites de sexta e sábado ficávamos juntos até de manhã. Como gostei de ver nos teus lábios a luz da madrugada!
Como fomos capazes de, em conjunto, amar o sol!
Todos os momentos livres eram para ti.
...
Um dia mandaste um mail:
"És capaz de descobrir uma fonte secreta que faça desaparecer as sombras e tire, para sempre, a sede do nosso amor?"
...
Não te perdoo não teres sido mais clara, não posso aceitar que não tivesses dito como eu te oprimia, como o meu amor obsessivo te cansava e te fazia querer fugir ou estar muito ocupada, como as minhas permanentes combinações te saturavam. Nunca vi um gesto de enfado, uma recusa a um programa, uma alternativa às minhas propostas. Pensava que te conhecia tão bem que quase adivinhava o que pretendias, tudo me parecia fácil na ânsia de estar contigo.


publicado por SigurHead às 21:34
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Junho 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Apenas quando o mundo nos...

Anoitece devagar

Mas comigo era diferente....

Tanto para te dizer

...

Não digas a ninguém

Dei-me sempre mais do que...

Luminoso afogado

Roída a dor muda

Antídoto

arquivos

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

links

Free Website Counter
Indicador de Status