Porque sabes que eu estou aqui. Porque eu sei que me sabes ler no silêncio.
Domingo, 16 de Abril de 2006
Sou insuportável
As vezes queria tocar-te mais e desejar-te menos, beijar-te mais e querer-te menos, abraçar-te mais e amar-te menos.
Sou insuportável, tu és insuportável. Há uma sinestesia de corpos e pensamentos que não destrinçamos, sob o medo de deixarmos de existir. Como se eu te dissesse ao ouvido inspira, agora expira. Não sou ninguém sem ti, tu continuas a sê-lo sem mim. Precisasses tu de mim na mesma proporção que preciso de ti.
Com as noites de sono que me receitaram já não vou lá. A lista de mezinhas já se esgotou: preciso de descansar, preciso de reconstruir o meu ego, de me lembrar quem sou, sem que continue a sentir-te por perto.
O teu nome cansa-me os maxilares.

Foo Fighters – Walking after you mp3

 



publicado por SigurHead às 03:46
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De janis a 18 de Abril de 2006 às 20:08
Que posso dizer? Vi este texto e não resisti a comentar... É muito bom mesmo. Gostei, até porque acho que as pessoas tendem a ter o carinho ou o amor como algo que traz sempre felicidade, quando na verdade existem momentos para tudo. Gostei do texto porque muitas vezes dou comigo a pensar exactamente o mesmo, e detesto sentir-me assim...


De ovo mole a 21 de Abril de 2006 às 01:37
Sigur,

encontrei o teu blog por acaso, à procura da letras do Quebramos os Dois. Não é que eu aprecie Toranja por aí e além, mas esta letra adapta-se também a momentos passados que perduraram nos anos. Portanto está presente a Quebra no Presente como ficou no Passado. Não há remédio..
Depois li o teu texto que te fez ir buscar a canção, li o texto, fui ver o mote do que escreves e juro-te,Sigur, fiquei comovida.
Não é que eu tenha muita paciência para o urbano-depressivo. Mas tenho paciência para as palavras, principalmente para as belas palavras.
Sabes que fora do teu sofrimento por ela(suponho que seja uma ela), a tua escrita provavelmente afundava. Deve ser por isso que manténs tão enorme e perene Quebra de Amor. Ela faz-te falta porque a Alegria nunca produz literatura de jeito. Só a Agustina consegue fazer da alegria uma obra-de-arte..
E com a Quebra, te vais mantendo no quebranto que te anima os dedos e a alma de poeta da prosa que tu és.

Mas, nem foi bem isto tudo que me comoveu. Foi a tua lapidar declaração ameaçadora para a Ela que te abre o Blog:Porque sabes que estou aqui. Porque eu sei que me sabes ler no silêncio.
Sabes? Tu de silencioso não tens nada...
E isso, nem imaginas, deu-me a inveja. Inveja de não ter um Sigur.
Porque se eu tivesse um Sigur, eu sei quem ele seria. Ou .. eu sei quem eu gostaria que ele fosse, sabendo à partida que ele sabe que eu estou aqui, mas não me lê. Nem precisa de mim na mesma proporção que eu preciso dele. Aliás, é uma proporção impossível, em que eu sou o numerador e ele o denominador. E ele vale zero. E, como deves saber, o zero não pode ser denominador..
A minha proporção impossível deveria ser um Sigur. Só porque sim. Só porque a virtualidade tem emoções que a razão desconhece.
Vou ver se me lembro de te continuar a ler.


Comentar post

pesquisar
 
Junho 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Apenas quando o mundo nos...

Anoitece devagar

Mas comigo era diferente....

Tanto para te dizer

...

Não digas a ninguém

Dei-me sempre mais do que...

Luminoso afogado

Roída a dor muda

Antídoto

arquivos

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

links

Free Website Counter
Indicador de Status