Porque sabes que eu estou aqui. Porque eu sei que me sabes ler no silêncio.
Quinta-feira, 20 de Maio de 2004
"Amor"
"Às vezes, penso que é impossível que entendas completamente aquilo que sinto. A culpa não é tua. Não existe culpa. As palavras que tenho são muito insuficientes, são muito imperfeitas."
"Nós somos feitos de tantas coisas impossíveis, tantas coisa de que duvidámos, tantas coisas que verdadeiramente acreditámos impossíveis, com todas as certezas, com todas as dúvidas. Nós somos impossíveis e, no entanto, somos possíveis. Estamos aqui. É isto que não sei como dizer-te. É isto que não sei se entendes completamente".
"Olho-te nos olhos e basta-me a verdade desta palavra ... basta-me a verdade do teu nome ...".
"- Abraça-me. Abraça-me com força. E quando já não estiver aqui, abraça o mundo. Estarás a abraçar-me, esteja aonde estiver."
 
                                                                                       José Luís Peixoto
 
 


publicado por SigurHead às 00:27
link do post | comentar | favorito

Domingo, 16 de Maio de 2004
Magnificat
Quando é que passará esta noite interna, o
universo,
E eu, a minha alma, terei o meu dia?
Quando é que dispertarei de estar accordado?
Não sei. O sol brilha alto,
Impossivel de fitar.
As estrellas pestanejam frio,
Impossiveis de contar.
O coração pulsa alheio,
Impossivel de escutar.
Quando é que passará este drama sem theatro,
Ou este theatro sem drama,
E recolherei a casa?
Onde? Como? Quando?
Gato que me fitas com olhos de vida,
Quem tens lá no fundo?
É Esse! É esse!
Esse mandará como Josué parar o sol e eu accordarei;
E então será dia.
Sorri, dormindo, minha alma!
Sorri, minha alma: será dia!
 
                                                      Álvaro de Campos


publicado por SigurHead às 01:00
link do post | comentar | favorito

Esfumas-te...
Esfumas-te numa sombra que dá lugar à manhã. E eu agarro-me a esse vulto que se faz parede, para derramar um último abraço, um derradeiro beijo sentido. Mas este beijo voa sem te encontrar, num quarto onde já não pertences, onde repouso só numa manhã que de tão luzida não permite uma sombra de ti. E por lá fico escutando uma melodia que não é mais do que a ressonância de nós na minha voz. E é manhã, sem ti.


publicado por SigurHead às 00:53
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 13 de Maio de 2004
Ainda assim...
  
 
Ainda que o meu sangue envenenes com indiferença do teu olhar.
Ainda que envelheças a minha pele quando o teu silencio me retira a voz
Ainda que me rasgues a carne na acidez das tuas negações.
Ainda assim em ti não morro de cansaço.
 


publicado por SigurHead às 23:03
link do post | comentar | favorito

Segredo

 

Segreda-me a canção dos dias
Sem que nos ouça a noite terrível.
E deixa que dance em mim a voz,
A voz azul que é o lugar
De onde o mundo não pára de nascer.
Segreda-me o teu nome agora
E farei de nós o amor,
A constelação,
O sonho de estação sem norte.
 


publicado por SigurHead às 21:54
link do post | comentar | favorito

Rilke
 
Uma só coisa é necessária: a solidão, a grande solidão interior. caminhar em si próprio e, durante horas, não encontrar ninguém - é a isto que é preciso chegar.

 



publicado por SigurHead às 00:06
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 12 de Maio de 2004
?

Há quilómetros de vazio entre nós...
De que cor é pintado o céu do teu quarto?!
A que cheiram os livros na tua estante?!
Como são os fantasmas do teu armário?!
Que idade tem as sombras nessa parede?!
Visto daqui tudo parece mais triste...



publicado por SigurHead às 23:55
link do post | comentar | favorito

In, O canto do vento nos ciprestes.
"Quando eu morrer, não digas a ninguém que foi por ti. Cobre o meu corpo frio com um desses lençóis que alagamos de beijos quando eram outras horas nos relógios do mundo e não havia ainda quem soubesse de nós; e leva-o depois para junto do mar, onde possa ser apenas mais um poema - como esses que eu escrevia assim que a madrugada se encostava aos vidros e eu tinha medo de me deitar só com a tua sombra. Deixa que nos meus braços pousem então as aves (que, como eu, trazem entre as penas a saudade de um verão carregado de paixões). E planta à minha volta uma fiada de rosas brancas que chamem pelas abelhas, e um cordão de arvores que perfurem a noite - porque a morte deve ser clara como o sal na bainha das ondas, e a cegueira sempre me assustou (e eu já ceguei de amor, mas não contes a ninguém que foi por ti). Quando eu morrer, deixa-me a ver o mar do alto de um rochedo e não chores, nem toques com os teus lábios a minha boca fria. E promete-me que rasgas os meus versos em pedaços tão pequenos como pequenos foram sempre os meus ódios; e que depois os lanças na solidão de um arquipélago e partes sem olhar para trás nenhuma vez: se alguém os vir de longe brilhando na poeira, cuidara que são flores que o vento despiu, estrelas que se escaparam das trevas, pingos de luz, lágrimas de sol ou penas de um anjo que perdeu as asas por amor."


publicado por SigurHead às 23:36
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 10 de Maio de 2004
Compreendes?
Compreendes o que sinto?
Compreendes o que sinto quando abandono todas as palavras por nós devoradas em noites de uma luz semicerrada?
Compreendes o que sinto quando te busco incessantemente na cama inerte que jaz deserta de ti?
Compreendes o que sinto quando rego em vão as flores que murcharam no dia que partiste?
Compreendes o que sinto quando dou por mim sem ser mais do que uma personagem numa peça de teatros vazios?
Compreendes o que sinto quando és frase solta que deambula em páginas esvoaçantes de um livro que para mim se torna impossível ler?
Compreendes o que sinto quando o meu ecoar sou eu sem ti?
Compreendes?


publicado por SigurHead às 01:01
link do post | comentar | favorito

Domingo, 9 de Maio de 2004
Poder fintar

                            

Faço-te vulto de mim com a firme esperança de te poder fintar, esquecendo-te numa qualquer esquina do meu ser.

 



publicado por SigurHead às 14:19
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Junho 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Apenas quando o mundo nos...

Anoitece devagar

Mas comigo era diferente....

Tanto para te dizer

...

Não digas a ninguém

Dei-me sempre mais do que...

Luminoso afogado

Roída a dor muda

Antídoto

arquivos

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

links
blogs SAPO
subscrever feeds